Ter irmãos faz bem à saúde

16-05-2018

Às vezes fazem-nos a vida negra, mas noutras alturas são os nossos melhores amigos. Por muito difícil que seja aturá-los, ainda bem que os temos! Isto porque novos estudos, citados pela Time, revelam que ter irmãos faz bem à saúde.

Aqui ficam alguns benefícios de ter 'um pestinha' em casa, a roubar as nossas melhores roupas e a invadir o nosso quarto a torto e a direito. 

1. Ter um irmão torna-nos mais altruístas: Novos estudos sugerem que ter um irmão ajuda a desenvolver a simpatia. Os investigadores analisaram a relação entre irmãos de mais de 300 famílias e descobriram que ter uma boa relação que o nosso irmão ou irmã promove o altruísmo na altura da adolescência - principalmente nos rapazes.

2. Irmãos ajudam a melhorar a saúde mental uns dos outros: Investigadores da Brigham Young University descobriram que (principalmente) as irmãs ajudam a estimular a actividade cerebral. Resultados estatísticos recolhidos a partir da análise de 400 famílias mostram que , independentemente da diferença de idade, ter uma irmã ajuda os adolescentes a não se sentirem sozinhos, culpados por algo e ansiosos. De acordo com o mesmo estudo, até as lutas entre irmãos ajudam a melhorar a mente - ambos acabam por aprender a controlar melhor as suas emoções.

3. Fazem-nos felizes: Este ponto não deve ser novidade para a grande maioria das pessoas. Para comprovar esta premissa , um novo estudo mostra que as pessoas mais velhas que ainda têm irmãos são mais felizes e um maior sentido de ética. Assim sendo, ter irmão não nos deixa mais felizes quando somos novos - também traz benefícios para a posterioridade.

4. Os irmãos mantêm-nos em forma: Os irmãos - e a família em geral - ajudam-nos a mantermo-nos activos. Um estudo divulgado pela Time mostra que 43% dos inquiridos afirmam que são os seus familiares e amigos que os ajudam a ter um estilo de vida saudável.

5. Ajudam-nos a ter uma vida mais longa: Um estudo publicado no jornal PLoS Medicine mostra que aqueles que não têm hábitos sociais morrem 7.5 anos mais cedo do que aqueles que mantêm laços fortes com os amigos e a família.

Fonte: ionline.sapo.pt