Ou é assim ou não é!


As crianças precisam da autoridade dos pais

Há uma linha que separa a autoridade do autoritarismo. A autoridade é um exercício de bondade; o autoritarismo aquilo que se reclama quando os bons exemplos não coincidem com tudo o que se exige. Porque é que as crianças precisam da autoridade dos pais?

Porque se as rotinas dão um perímetro mais ou menos familiar a tudo aquilo que desconhecem, a autoridade dá-lhes "um norte". Um conjunto de nãos que, todos juntos, lhes trazem as regras que, em conjunto com as rotinas, orientam e estruturam as crianças, mesmo quando elas estão longe dos pais.

As rotinas e as regras funcionam como um "estabilizador de humor" que, quando não são demasiado opressivas, se adequam aos ritmos dos filhos e aquilo que se espera delas em termos sociais, fazendo uma ponte entre o dentro e o fora das crianças e o dentro e fora da família.

As crianças precisam de regras, portanto. As regras, se forem claro para elas, consolidam-se em função da autoridade que as crianças reconhecem aos pais. E a autoridade resulta da coerência dos nãos que elas têm por parte dos pais. Ora, é aqui que, grande parte das vezes, tudo se complica. Os pais entendem que explicar, negociar ou justificar as regras os torna mais democráticos e que isso ajudará a que as crianças, percebendo melhor aquilo lhes é pedido, acatem, de forma muito mais fácil, aquilo que eles esperam do seu comportamento. O resultado é, todavia, completamente ao contrário daquilo que os pais mais desejam. As crianças, sempre que sentem este "furor dialogante" dos pais, interpretam-no como um sinal de insegurança; de quem está a exercer a autoridade numa atmosfera de "desculpa qualquer coisinha". E as consequências não são, seguramente, as melhores. Ficam mais assustadas, porque lhes falta "o norte". Ficam muito mais agitadas, porque nem sempre aquilo que os pais esperam delas fica muito claro. E ficam muitíssimo mais desafiadoras, porque lidam com eles como se lhes estivessem sempre a dizer: "ainda está para nascer quem terá mão em mim!...". Como se isso, só por si, não chegasse, à medida os pais vão saltitando entre os avisos, as ameaças, as explicações, a forma como "falam ao coração" e os desabafos com que capitulam diante de tudo isto, ao mesmo tempo que e os momentos se zangam, com clareza, há muitas outras vezes em que "varrem para debaixo do tapete" uma asneira, duas asneiras, muitas asneiras... que não são "taxadas", devidamente, pela sua autoridade. O que faz com que, à sétima ou à oitava asneira, os pais se zangam com "juros, sobretaxas e coimas adicionais" o que os leva a que, inevitavelmente, nunca sejam justos (porque a sua zanga acumulada faz com que sejam desproporcionados em relação a essa "oitava" asneira), para além de serem imensamente confusos (porque deixaram passar asneiras, talvez, mais graves do que essa "oitava" que os filhos terão feito, e acabam a zangar-se diante de uma outra que justificaria muito menos zanga da sua parte. Tudo isto quando, no entretanto, explicaram, justificaram e negociaram as regras, "mil vezes". E depois de terem ameacado e avisado os seus filhos outras tantas "mil".

Quando me falam do seu desespero e me dizem: "Eu já tentei tudo", eu sorrio. Sobretudo porque não duvido que o "tudo" de que me falam é, inequivocamente, verdade. E , sempre que reajo e, tentando ser levemente provocatório, lhes digo que - regra geral - os nãos não se explicam, eles ficam um bocadinho atónitos e respondem: "Já percebi! Ou é assim, ou não é!", rematando, de seguida: "Devo ser, portanto, autoritário!". Mas, mal eu aceno com a cabeça, concordando como o "Ou é assim..." enquanto lhes garanto que isso não é ser autoritário, eles ficam confusos. Por mais que lhes garanta que as explicações são mais ruído do que uma mais-valia. Porque as crianças já têm nos exemplos dos pais a razão de ser das suas exigências. Por mais que lhes recorde que as crianças reconheçam aos pais a sua autoridade, baseadas no pressuposto que eles nunca lhes exigirão nada que não sirva para as proteger. E que, aquilo em que falham, é o no modo como, nem sempre, são coerentes nos nãos que impõem aos seus filhos, no tom com que se zangam (que faz com que muitos nãos se transformem em nins) e nas consequências que retiram dos nãos (que, ora tão depressa se transformam em castigos em formatos XXL, ora se resumem a um breve sermão). Às vezes, o embaraço dos pais é tão grande, que me perguntam, então, como é que se devem zangar, depois de avisarem os filhos duma forma um bocadinho "seca" (só duas vezes!!). Habitualmente, eu proponho: "E que tal... passar-se?...", as mães - sobretudo elas - entram em "modo de alarme". "Tem noção daquilo que eu sou capaz quando me passo?..."- perguntam-me elas. E eu digo: "Acredite que tenho. À "oitava" asneira ninguém se passa em "português suave"".

Moral da história: o "Ou é assim ou não é" dos pais da actualidade não tem nada a ver com os pais de antigamente. É bondoso, é democrático, traz regras e rotinas e faz os filhos crescer. Eu compreendo que os pais da actualidade tenham passado por muitos em que, à conta do "Ou é assim ou não é" de antigamente, se tenham sentido vítimas do autoritarismo. Mas sempre que ficam presos a isso, na ânsia de serem muito melhores pais, estragam os filhos. Porque não há como eles crescerem sem regras claras. E elas precisam de ser uma espécie de "piloto automático de nãos" com que as crianças façam uma triagem entre o bem e o mal, entre o medo e a coragem, entre o desconhecido e a curiosidade e, já agora, entre o passado e o futuro.