O sangue torna-nos parentes, mas a lealdade transforma-nos numa família

23-12-2018

Toda a gente tem uma família. É fácil ter uma: todos nós temos origens e raízes. No entanto, o difícil é manter, cultivar o vínculo todos os dias para garantir que ele permaneça intacto.

Todos nós temos mães, pais, irmãos, tios ... às vezes grandes núcleos parentais com membros com os quais, provavelmente, deixamos de ter relacionamentos. Devemos nos sentir culpados por isso?

A verdade é que às vezes quase sentimos a obrigação moral de conviver com aquele primo ou tio com quem compartilhamos tão poucos interesses e que causam tantos ferimentos em nossas vidas. Pode haver um vínculo de sangue, mas a vida não nos obriga a concordar com todos, então às vezes fugir ou manter uma relação de "circunstância" não deve causar nenhum trauma.

O que acontece quando falamos da família num sentido mais restrito? De pais e irmãos?

Os laços são mais fortes que o sangue

Às vezes, tendemos a pensar que ser uma família requer compartilhar algo mais do que o sangue ou a árvore genealógica. Há pessoas que quase inconscientemente acreditam que uma criança deve ter os mesmos valores que seu próprio pai, compartilhar as mesmas idéias e se comportar de maneira semelhante.

Há mães e pais que se surpreendem com a diferença de seus filhos ou irmãos entre si. Como pode ser possível se todos foram criados pela mesma pessoa? É como se dentro do núcleo familiar existisse uma harmonia explícita, sem diferenças excessivas entre os membros que fazem parte dela, onde tudo pode ser controlado e em ordem.

Deve ficar claro que nossa personalidade não é geneticamente transmitida 100%, podemos herdar algumas características e, certamente, compartilhar um ambiente leva ao compartilhamento de uma série de dimensões. No entanto, as crianças não são cópias de seus pais, nem nunca conseguirão fazer com que seus filhos correspondam às suas expectativas.

A personalidade é dinâmica, é construída dia após dia e não para as barreiras que, às vezes, os pais tentam criar. Precisamente disso, por vezes, surgem desilusões, desacordos, confrontos ...

Para criar um vínculo forte e seguro no nível da família, devemos respeitar as diferenças, promover a independência de cada pessoa e sua individualidade, sem colocar muros, sem culpar todas as palavras ou comportamentos ...

Pontos-chave de famílias que vivem harmoniosamente

Às vezes muitos pais vêem seus filhos se afastarem de casa sem querer mais fazer contato. Há irmãos que param de falar e famílias que contam cadeiras vazias deixadas na casa.

A que é devido tudo isso? É claro que toda família é um mundo à parte, com suas diretrizes, suas crenças e, às vezes, com as janelas fechadas, onde apenas as pessoas que fazem parte dela sabem o que aconteceu no passado e como vivem o presente ..

No entanto, podemos falar de um eixo básico geral que pode nos fazer refletir.

- A educação tem como objetivo dar ao mundo pessoas seguras de si, capazes e independentes, que possam alcançar a felicidade e que sejam capazes de oferecer isso aos outros. Como você consegue tudo isso? Oferecendo amor sincero, que não é imposto e não pode ser controlado. Uma afeição que não pune pela forma como uma pessoa é, pensa ou age.

- Não devemos sempre culpar os outros pelo que acontece. Você não pode culpar uma mãe ou um pai porque se sente incapaz de fazer certas coisas, ou aquele irmão que, talvez, sempre foi tratado melhor que nós.

É claro que quando se tem que educar alguém, sempre se comete erros. No entanto, nós também devemos assumir o controle de nossas vidas e sermos capazes de reagir, dizer, ser capaz de dizer não e pensar que somos capazes de realizar novos projetos e sonhos com confiança e maturidade, sem sermos escravos de memórias familiares do passado.

Ser uma família nem sempre pressupõe compartilhar as mesmas opiniões ou os mesmos pontos de vista. E não por isso devemos julgar, punir ou, pior ainda, desprezar. Comportamentos como estes criam distância e levam a encontrar, dia após dia, mais lealdade nos amigos do que na família.

- Às vezes, sentimos a obrigação moral de ter que nos manter em contato com os membros da família que nos feriram, que nos fazem sentir desconfortáveis, que nos julgam continuamente.

Eles são nossa família, é verdade, mas devemos levar em conta que a coisa realmente importante nesta vida é a felicidade e a realização de um equilíbrio interior. Paz interior. Se esses ou aqueles membros da família violarem seus direitos, mantenha distância!

Fonte: pensarcontemporaneo.com