Como preparar o seu animal para a chegada de um bebé?

27-10-2018

Os pais chegam pela primeira vez a casa vindos da maternidade e, com eles, as eternas dúvidas: como vai o animal reagir ao mais novo membro da família? Como antecipar comportamentos? E o que fazer para conviverem em harmonia?

Ter animais de estimação é das melhores coisas para uma criança, porém nem sempre pensamos que a chegada de um bebé ao agregado familiar pode, igualmente, resultar em stress para o animal se não for acautelada.

Alguns donos chegam a dá-los durante a gravidez ou após o parto quando alguns cuidados simples chegam, quase sempre, para garantir um convívio seguro. Depois é só vê-los crescerem juntos, como melhores amigos.

Ambiente-o

É importante deixar o animal cheirar a barriga da dona grávida, o quarto do bebé, o ambiente - e mais tarde o próprio bebé dentro e fora deste ambiente novo -, falando com ele para que não se sinta excluído da família onde até há pouco tempo era ele o centro. Garanta que está desparasitado, vacinado, com as consultas do veterinário em dia. Se tenciona restringir o acesso a algumas áreas da casa, faça-o nesta fase para não haver associações negativas mais tarde.

Rotinas

É natural que se avizinhem tempos de menos passeios e atenção: os donos não deixam de gostar do animal, mas terão mil preocupações na cabeça a dispersá-los. Ainda assim, convém tentar manter-lhe as rotinas tanto quanto possível, assegurando alguns momentos de qualidade exclusivos - podem ser passeios, brincadeiras, festas, snacks e tudo o mais que o faça sentir-se amado. E isto não somente quando o bebé estiver a dormir ou ausente, não vá ele achar que só tem lugar na família com a nova cria fora do seu território.

Laços

Muitos pais receiam a convivência, contudo é importante mostrar ao animal que as mudanças não irão afastá-lo dos donos e que a única diferença, agora, é o recém-nascido fazer também parte do grupo. Nunca o castigue por se interessar pelas coisas do bebé ou querer olhá-lo e cheirá-lo: pelo contrário, reforce comportamentos positivos sempre que se mostrar sociável, com petiscos e mimos. Mantenha-se ainda por perto a supervisionar estas interações, atento a quaisquer sinais de alterações de humor como vocalizações ou pelo eriçado.

Dinâmica

Se tiver amigos com filhos pequenos, convide-os para irem a sua casa brincar um pouco com o animal, de modo a acostumarem-no à algazarra que é estar entre crianças. Se ele não se mostrar interessado em aproximar-se, não force - além de o comportamento ser quase sempre diferente com o bebé da família, esta fase de mudança é complicada para todos, pelo que importa saber respeitar também os timings do animal. Vá trabalhando esta dinâmica gradualmente, com paciência e muita calma.

Conforto

Coloque algumas roupinhas, uma fralda ou o que quer que tenha o cheiro do bebé nos locais onde o animal mais gosta de estar, nomeadamente a cama dele: não só passa a associar esse odor a conforto, como começará naturalmente a interiorizá-lo e a sentir-se familiarizado com a própria criança. Se mostrar interesse, deixe-o entrar consigo no quarto do seu filho e assistir ao que se passa no interior: banhos e choro acabarão por ser tão naturais para ele como já são para os donos.

Carinhos

Mais uma vez, além de não dever dar carinhos ao animal apenas quando o bebé estiver a dormir, permita-lhe participar sempre que o estiverem a alimentar, a brincar, a tratar dele. Sobretudo se tiver o bebé ao colo, converse com os dois ao mesmo tempo para uma inclusão partilhada: vai ajudar o seu animal a sentir-se seguro e a aceitar a criança sem tristeza, sem necessidade de chamar a atenção dos donos (regra geral estragando coisas em casa ou deixando de comer) e sem medo de ser expulso do grupo.

Fonte: noticiasmagazine.pt