Brinquedos e atividades que estimulam o desenvolvimento cognitivo dos mais pequenos

20-05-2018

Há brincadeiras que são mais adequadas do que outras. Mário Cordeiro, um dos mais reputados pediatras nacionais, explica quais são em função das idades.

Muitos especialistas, nacionais e internacionais, defendem que as crianças devem passar mais horas a brincar com brinquedos adequados à sua idade do que com telemóveis, tablets e computadores, como muitas vezes se vê. Mário Cordeiro, médico pediatra e autor do livro «Crescer Seguro», publicado pela editora Glaciar, aponta alguns dos principais brinquedos e atividades que estimulam o desenvolvimento cognitivo dos mais pequenos:

A partir dos 3 anos

O faz de conta, a fantasia e a imitação sofrem um enorme impulso, bem como a criatividade. «As histórias contadas têm de ser mais complexas, estando completamente ao seu alcance contos tradicionais ou fábulas. Os puzzles estimulam a concentração e a relação entre o olho e a mão, a compreensão global, a análise e a síntese, além da capacidade de resolver problemas», sugere Mário Cordeiro.

«No que se refere às melhores opções, é a altura da total perda de omnipotência e de refúgio na reafirmação dos pequenos poderes caseiros», esclarece o médico pediatra. O vocabulário é extenso, bem como a constante necessidade de ir além das coisas, materializado através de perguntas como «como?», «quando?» e o inesgotável «porquê?».

«Outra opção a considerar são os livros para pintar e ler, de preferência com histórias engraçadas e situações inesperadas, mas com uma clara divisão entre bons e maus, e uma certa moral final», aconselha ainda Mário Cordeiro.

Entre os 4 e os 5 anos

O que caracteriza esta idade é o desejo de jogos coletivos, de aprendizagem cognitiva e de grande coordenação entre movimentos grossos e finos. «A criança entusiasma-se com a sua própria capacidade e êxito, e expande a criatividade e a imaginação. Começa a descodificação das letras, números e outros símbolos», afirma o especialista.

«A lista das boas opções inclui jogos com trabalhos manuais, carrinhos e pistas, triciclos e bicicletas, jogos de construção e teatro de marionetas, livros de histórias, instrumentos musicais e jogos de representação, em miniatura ou tamanho real da vida do dia a dia», indica Mário Cordeiro. Os jogos de materialização com blocos, tipo Lego, são dos mais aconselhados pelos especialistas.

Fonte: lifestyle.sapo.pt