Inês Cruz 

No final de cada "À conversa com..." é para mim muito importante ouvir o que os pais partilham, o que me vêm dizer e até sugerir... desta vez vários foram os que pediram para partilhar as dicas com que fechava a palestra. Por isso cá estão elas... em jeito de tópicos como lá as projeto... para as aprofundar nada...

Ouvimos e lemos a frase «regresso às aulas» imensas vezes... na rádio, nos outdoors, no supermercado, nas livrarias, nos jornais e revistas... e de facto os nossos filhos regressam à rotina deles, e nós à nossa :) Voltamos às rotinas. Voltamos aos horários mais rígidos. Mas voltamos também à convivência com os amigos diariamente.

Brincar e aprender são duas palavras que deveriam estar em simbiose. Simplesmente porque nenhuma criança separa a hora de brincar da hora de aprender. Elas aprendem precisamente enquanto brincam!

São muitas as situações em que ficamos orgulhosos pelas atitudes ou palavras dos nossos pequeninos. Esse orgulho pode ser traduzido por palavras, gestos ou ações. Mas às vezes fica a dúvida: Devemos elogiar? Quando? Como? Sempre? E se exageramos? E se não o fazemos suficientemente?

Há muitos anos lembro-me dos meus pais dizerem que educar os filhos era uma caminhada. E contavam que começamos por levá-los ao colo, no aconchego dos nossos braços, no calor do nosso peito, no abraçar dos nossos corpos.


Sobre a Autora

Sou professora de matemática há 18 anos, profissão que escolhi em primeira opção e que abraço com paixão!
Desde sempre tentei perceber o porquê de tantas falhas em tantos alunos, tantas reprovações à disciplina, tanta necessidade de explicações, tanta carga negativa nesta disciplina "bicho papão". Fui estudando e fazendo formações e fui percebendo que a raiz do sucesso está muito antes de os alunos precisarem de explicações ou mesmo de saber o que são aulas de matemática. Entretanto fui mãe. Primeiro de uma menina (já com 12 anos) e mais tarde de um rapaz (agora com 7 anos) e percebi que o dia a dia é crucial. E nele podemos fazer a diferença no desenvolvimento do raciocínio matemático. Podemos efetivamente facilita-lo.
O segredo está no desenvolvimento da criança essencialmente no pré escolar, mas diria entre os 2 e os 7/8 anos. Nesta fase ou se semeia ou não para mais tarde se colher melhores ou piores resultados.
Com esta convicção comecei a divulgar o que sei através de palestras destinadas aos pais e aos interessados no tema e via blog que entretanto criei para tentar chegar a mais pais interessados.

No nosso dia a dia, nas coisas simples de casa, do trajeto para a escola, nos passeios...nessas situações podemos ajudar os nossos filhos a desenvolverem competências que irão mais tarde fazer falta num aluno de matemática. Muitas escolas já trabalham estas necessidades mas os pais, como muita pena minha, estão muito perdidos no que é suposto uma criança do pré escolar desenvolver nesta área. Não é reconhecer e escrever os números. Não é fazer contas de cabeça...isso fica para o 1º ciclo! Nesta fase há muito mais coisas muito mais importantes para desenvolver, como a paciência, a persistência, o aprender a brincar, perder, partilhar, aceitar que não têm de ser fantásticos, não têm de ser os melhores em tudo, que ouvir é importante, saber estar... e tanto mais. E isto tem a ver com matemática? TEM! Nem imaginam quanto.  

WEBSITE