Beatriz Pereira - Blog mais q' Especial


Crescer é a palavra de ordem quando somos crianças. Crescer e aprender. Mas penso que a palavra de ordem deveria ser mesmo "Viver". Viver o presente, viver as experiências, viver as descobertas, viver as aprendizagens. Viver com a criança que fomos "para a vida toda". Viver para podermos ser no nosso futuro.

A tecnologia veio, sem dúvida, revolucionar o tempo, a comunicação em família, a educação e o desenvolvimento das nossas crianças.
Esta ferramenta para muitas crianças tornou-se o "urso de peluche" preferido dos dias de hoje e tem, como em tudo, pontos positivos e negativos.

Antes demais deixem-me explicar porque falo em reconhecer positivamente a criança e não em recompensar. Não estaria totalmente errado visto que ambos os termos envolvem valorizar e gratificar. No entanto, recompensa está muito mais associado a algo tocável, um prémio, uma renumeração. Reconhecimento é constatar, condecorar e permanece na nossa vida...

O dia 2 de Abril é mais do que o Dia da Mundial da Consciencialização do Autismo. Para mim é o dia Mundial da Consciencialização de que todos sentimos e expressa-mo-nos de forma diferente. Isto não acontece porque uns têm perturbações de desenvolvimento e outros não mas porque somos todos Pessoas diferentes...!

O cérebro humano é um "mundo" gigante e desconhecido, na sua maioria, tal como a Lua ou Marte. Este amiguinho que comanda a nossa ação, a nossa comunicação, a nossa aprendizagem e o nosso comportamento com ligações neuronais, sinapses e, sabe-se lá mais o quê, é o manda-chuva do nosso bem-estar todos os dias. Que poderoso, não? Pelo seu papel...

Vivemos num mundo de comparação constante, pelo melhor e pelo pior, de ânsia pelo melhor do melhor...até no que diz respeito à nossa família. Todos queremos que seja a mais bela e a melhor. Sejamos sinceros: quanto tempo já acabamos por perder com a nossa família ao idealizarmos uma perfeita? Valeu a pena?


Sobre a Autora

Mestre em Reabilitação Psicomotora com experiência em intervenção com crianças e idosos. Atua no grande Porto, promovendo e acompanhando o desenvolvimento do indivíduo intervindo no movimento, cognição e emoção ao longo das várias etapas da sua vida, contribuindo assim para o seu progresso e autonomia.